A República de Angola celebra neste sábado o 56º aniversário do 4 de Fevereiro, Dia do Início da Luta Armada de Libertação Nacional, cujo acto central decorre em Luanda.

Este ano, as festividades decorrem sob o lema "Honremos os heróis de Fevereiro, construindo um futuro melhor".

O Marco Histórico do 4 de Fevereiro, município do Cazenga, palco escolhido para o acto central, assiste, desde as primeiras horas da manha deste sábado, a uma forte movimentação.

Governantes, deputados, dirigentes políticos, nacionalistas, antigos combatentes, representantes da sociedade civil e convidados estão já no local do acto.

Segundo o programa das festividades, o acto central será presidido pela ministra da Cultura, Carolina Cerqueira.

A 4 de Fevereiro de 1961, patriotas angolanos desencadearam um ataque à Cadeia de São Paulo e à Casa de Reclusão, em Luanda, dando início à Luta Armada.

Esta luta culminou com a proclamação da Independência Nacional, a 11 de Novembro de 1975.

Segundo dados, terão se destacado na acção, entre outros, os nacionalistas Paiva Domingos da Silva, Imperial Santana, Virgílio Sotto Mayor e Neves Bendinha (já falecidos).

Estes ajudaram a coordenar o assalto, cujos preparativos se iniciaram em Outubro de 1960.

A arrojada acção tinha por objectivo primário libertar os presos políticos angolanos que se encontravam encarcerados nas cadeias visadas, acusados pelas autoridades coloniais de actividades subversivas.

Os participantes no ataque foram treinados sobre questões mais práticas, como manejar os instrumentos que seriam utilizados, principalmente catanas, ou desarmar uma sentinela, segundo relatos das testemunhas.

As informações disponíveis revelam que os treinos decorriam à noite, na zona de Cacuaco, arredores de Luanda, e quando começaram a recear infiltrações de indivíduos ligados à Polícia Política Portuguesa mudou-se para o Cazenga.

Neste último local foi erguido um monumento denominado "Marco Histórico do 4 de Fevereiro", inaugurado em 19 de Setembro de 2005, em homenagem aos heróis tombados pela causa da independência.

 
ANGOP

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.