Ao apontar alguns dos desafios enfrentados pela África Central, nomeadamente ameaças como o terrorismo, o secretário de Estado angolano das relações exteriores, Téte António, considerou que o potencial económico e humano da região só será concretizado criando um “clima de harmonia” entre os 11 países membros da UNSAC, entidade que abrange países como Angola, Burundi, a RCA ou ainda a RDC. Neste sentido, Téte António enalteceu a experiência do seu país na gestão pós-conflito e considerou que poderá vir a beneficiar a região.

De referir que antes mesmo do início dos debates da 49ª reunião do Comité Consultivo da Organização das Nações Unidas para as Questões de Segurança na África Central, as autoridades angolanas referiram pretender focar a sua atenção sobre o desarmamento, desenvolvimento económico, Direitos do Homem e ainda formas de insuflar um novo fôlego ao comité, através de uma maior integração e cooperação entre os Estados membros.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.