Um homem de 25 anos, que se encontra detido, terá alegadamente efectuado vários ataques a comerciantes de origem turca em Waldkraiburg, no estado alemão da Baviera, por ódio aos turcos.

Este motivo "relacionado ao seu apoio ao Estado islâmico" foi apresentado por ele mesmo durante o seu interrogatório, anunciaram os investigadores em Rosenheim, este domingo (10.05).

Trata-se de um alemão de origem turca preso na sexta-feira (08.05) à noite, na cidade de Mühldorf am Inn, quando viajava de comboio sem bilhete válido.

Ele é acusado de provocar um grave incêndio numa mercearia, causando ferimentos a seis pessoas e danos materiais na ordem dos milhões de euros, bem como de atacar com pedrada um salão de cabeleireiro, uma pizzaria e um comércio de kebab.

Os ataques tiveram lugar entre 16 de abril e 6 de maio.

Bombas e arma

Ao ser detido, foram encontradas várias bombas tubo na sua bagagem. A área da estação de comboios foi imediatamente evacuada e temporariamente isolada.

Durante o interrogatório, o jovem de 25 anos declarou ainda que tinha colocado explosivos adicionais num carro. Segundo os investigadores, "foi efetivamente encontrado um grande número de bombas tubo no carro, numa garagem subterrânea em Garching an der Alz [outra cidade da Baviera]".

No apartamento do homem em Waldkraiburg, os agentes encontraram uma pistola e outras provas. Para as buscas, dezenas de residentes tiveram de abandonar temporariamente os seus apartamentos.

27 tentativas de homicídio

O caso está a ser investigado por uma comissão especial chamada "Prager", que foi criada após o ataque incendiário no final de abril, sob direção do Gabinete Central de Combate ao Extremismo e ao Terrorismo da Procuradoria-Geral da República de Munique.

A pedido dos investigadores, foram agora emitidos mandados de captura por tentativa de homicídio em 27 casos, incêndios, danos corporais graves e danos materiais em três casos.

"São ainda necessárias investigações e pesquisas de grande alcance, especialmente sobre os motivos do homem e o curso exato do crime", explicaram os investigadores este domingo.

Além disso, "muito mais de 150 vestígios técnicos criminais apreendidos devem ser analisados e dados extremamente extensos - incluindo gravações de vídeo - e as declarações das testemunhas devem ser meticulosamente avaliadas".

Ainda está a ser investigado se outras pessoas teriam participado ds ações ou se o suspeito agiu sozinho.

por:content_author: AFP, DPA, cvt

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.