Após ter cumprido um mês de prisão efectiva por desacato à autoridade, Émerson Marcos, professor, diz que tais ameaças acabam por dar motivação na luta por causas sociais, tal como as activistas Sara Paulo e Delfina Silvano, igualmente professoras do sector público.

Ambas estiveram na manifestação em que os participantes gritaram pela exoneração de Rui Falcão, há duas semanas, ainda antes da carta aberta a caminho do Presidente da República, com esse pedido, e dizem que foram confrontadas com orientações para mudança da cidade de Benguela.

Admitindo que o pior tenha passado, a activista Sara Paulo associa uma possível transferência de posto de trabalho aos protestos que visavam ainda pedir a libertação do colega detido ao filmar as demolições e afirma que a democracia vai mal em Angola.

“Ainda não fomos convocadas, nem assinámos nada. Mas soubemos de fonte segura na Repartição (de Educação) que o senhor governador tinha pedido as nossas guias, orientando as nossas transferências ao director Calopa”, disse Sara Paulo.

“Isto demonstra que a nossa democracia anda doente, os líderes não convivem com a crítica, com as liberdades e com a fiscalização do povo’’, afirma a activista.

Já em liberdade, Émerson Marcos lamenta o ambiente de perseguição,

apontando para agentes dos Serviços de Investigação Criminal, e sublinha que prefere esquecer que é quadro da Educação: “Vou continuar a lutar para ajudar pessoas, mesmo sabendo que a perseguição política vai continuar a existir. Posso provar, existem mensagens de investigadores procurando saber da minha vida… quanto a salários, é melhor esquecer que sou professor, os salários não são pagos há muito tempo’’, denuncia Marcos.

Contactado pela VOA, primeiro para o caso das senhoras, o director do Gabinete Provincial de Educação e Ciência, Evaristo Calopa, disse desconhecer qualquer transferência, mas condicionou uma entrevista à recepção de excertos das declarações da activista.

A denúncia de Sara, como prometido, foi enviada a Calopa, mas a reacção, pelo menos até à hora em que expedíamos esta peça, não tinha sido gravada.

Para o caso de Émerson, um responsável da Delegação Provincial do Interior, considerando ser “uma situação grave”, disse esperar que sejam apontados os efectivos do SIC.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.