A Sapo.ao foi á província de Benguela, que completou recentemente o seu 393º ano de existência, assinalado no dia 17 de Maio.
 
É muito conhecida, essencialmente, pelos belos areais, águas límpidas e pequenas baías recortadas ao longo dos seus 200 quilómetros de costa. Praias como a da Baía Azul, Santo António, Caotinha, Morena, Kuito, Equimina e Restinga do Lobito engalanam o roteiro turístico da localidade.
 
A Província é rica em monumentos históricos, entre os quais podemos citar a Igreja da Nossa Senhora do Pópulo, a igreja da Catedral, a Igreja da Nossa Senhora da Graça, o Largo da Peça, a Rua 11, do poeta e escritor Alves de Almeida Santos, o museu de arqueologia, que no passado havia sido a Companhia do Cabo Submarino, instalado durante a Conferência de Berlim para fornecimento de informações, entre outras.
 
O território da província representa uma complexa combinação de planaltos escalonados, cortada por vales e rios e é drenada por alguns cursos de água que confinam nas bacias hidrográficas do Balombo, Cubal da Hanha, Catumbela, Cavaco e Coporolo, que definem vales agrícolas importantes da faixa litoral da província (Canjala, Hanha, Cavaco, Catumbela e Dombe Grande).
 
Os rios Balombo, Catumbela, Coporolo e Cavaco, são os principais onde a língua nacional falada é o Umbundo. As terras que hoje formam esta parcela acabaram por despertar a atenção de Manuel Cerveira Pereira, governador-geral de Angola, entre 1603 e 1607, que nelas se estabeleceu em 17 de Maio de 1617, depois de ancorar na baía de Santo António.
 
Desafiando uma vegetação densa e pântanos insulares, 130 homens europeus e nativos deram o tiro de história da cidade de “São Filipe de Benguela”, localizada na costa de África a oeste e ao fundo de uma espaçosa baía, sob o paralelo 12º 34' 17" hemisfério austral e o meridiano 13º 22' 33" leste de Greenwich.
 
Com a construção do Caminho-de-ferro de Benguela, no início do século XX, a cidade tornou-se no grande motor da região centro e sul de Angola. Por esta altura ocorreu também o “bom” do Lobito, onde se construiu um dos mais importantes portos do sul de África com águas profundas, transformando-o num grande eixo de desenvolvimento da província e do país.
 
Capital: Benguela
Área: 39 827 km2
População estimada: 1.928.000 habitantes
Clima: Tropical seco
Distâncias em km a partir de Benguela:- Luanda 550km - Sumbe 208km - Lobito - 33km
Indicativo telefónico: 272
 
 
As potenciais riquezas da província
 
A província de Benguela apresenta um grande potencial agrícola devido à estrutura dos seus solos e às condições hidrográficas do seu território. Cerca de um milhão de hectares são terras favoráveis ao desenvolvimento da actividade agrícola predominada pela banana, milho, batata rena, batata-doce, sisal, algodão, café, trigo, abacaxi, feijão, mandioca, hortícolas, manga e cana-de-açúcar.
 
A produção divide-se em culturas frutícolas (abacate, abacaxi, banana, goiaba, mamão, manga e maracujá), culturas hortícolas (cebola e tomate), cultura de tubérculos (batata doce e batata rena), cultura de oleaginosas (algodão, amendoim, girassol), cultura de leguminosas (diversas espécies de feijão, soja), cultura cerealíferas (milho, trigo), cultura de café arábica e cultura da cana-de-açúcar.
 
No sector pecuário, Benguela dispõe de um forte potencial para a criação de gado bovino, suíno, caprino e avícola, ocupando o quarto lugar a nível nacional em termos de produção pecuária. 
 
Benguela é o segundo maior produtor de pescado no país. O sector das pescas tanto industrial quanto artesanal assume uma importância no contexto socioeconómico da província. Abundam nos mares desta zona espécies como o cachucho, garoupa, corvina, carapau, sardinha e cavala.
 
O segundo maior parque industrial de Angola está instalado também nesta província. Com a recuperação das vias rodoviárias entre Benguela e os restantes centros urbanos do país aliada à nova dinâmica do Porto do Lobito e a reabilitação dos Caminhos-de-ferro de Benguela, a província reassume o seu posicionamento estratégico enquanto importante centro económico do país e da região sul de África.
 
Benguela é reconhecidamente terra de artistas. Entre os “filhos da terra” que se evidenciaram no domínio das artes contam-se a poetisa Alda Lara, o escritor Artur Pestana “Pepetela”, o “Tio” Raul David, os músicos da nova geração, Matias Damásio, Helvio, Mabela, o grupo de dança Bismas das Acácias.
 
A grande realização na província nos últimos anos em termos de infra-estruturas desportivas foi a construção do pavilhão multiusos “Acácias Rubras”, com capacidade de 2100 lugares. Acolheu a primeira fase do Afrobasket2007. E em Janeiro de 2008, o recinto esteve novamente ao rubro no Campeonato Africano das Nações em Andebol seniores masculinos e femininos.
 
E recentemente ganhou um estádio moderno com capacidade de 35 mil espectadores que acolheu, entre outras, o campeão africano (Egipto) na primeira fase da 27ª edição da Taça de África das Nações Orange Angola2010. O estádio tem o nome de “Ombaka”.

Curiosidades:
A província situa-se no litoral centro de Angola, limitando a Norte com a província do Kwanza Sul, a Leste com a do Huambo, a Sudeste com a da Huíla, a Sudoeste com a do Namibe e a Oeste com o Oceano Atlântico.
 
Benguela, divide-se em 9 municípios: Baía Farta, Balombo, Benguela (capital), Bocoio, Caimbambo, Chongoroi, Cubal, Ganda e Lobito.
 
A população, na sua maioria é de etnia Ovimbundo e Nganguela. O Clima na província é tropical árido, influenciado pela Corrente Fria de Benguela.
 

 
Por :Akanda
Fotos: Akanda

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.