Página gerada às 10:39h, domingo 20 de Agosto

Ministro exorta criadores de Camabatela a produzirem mais carne

13 de Agosto de 2017, 10:47

" Precisamos que os criadores de Camabatela se engajem como verdadeiros profissionais, pois se encararmos esta actividade sem profissionalismo dificilmente, atingiremos os objectivos a que nos propusemos”, rematou.

O governante defendeu a necessidade de os criadores crescerem de mãos dadas, não apenas em qualidade e quantidade de animais, mas sobretudo que consigam transformar o potencial em dinheiro e assim contribuir para o desenvolvimento do Planalto de Camabatela.

Marcos Nhunga garantiu o apoio incondicional aos criadores na reestruturação de fazendas, mormente na implantação de infra-estruturas de apoio à assistência técnica, acrescentando caber à Cooperativa de Criadores de Gado do Planalto de Camabatela (COOPLACA), não só a  mobilização dos pecuaristas para o incremento da produtividade, mas também a adopção de modelos positivos, visando o engrandecimento da sua actividade.

“O mercado requer actualmente a organização da produção dentro dos padrões internacionais, cujas exigências incidem na concretização de um bem comum que incide sobre a oferta e o acesso aos alimentos em quantidade, qualidade e a bom preço”, alertou.

Para o presidente da COOPLACA, Rui Cruz, os criadores do Planalto farão tudo para dignificar o investimento feito pelo governo, acrescentando que a operacionalização do matadouro constitui um marco para a região que doravante terá a missão de vender animais e incrementar os índices de produtividade.

 Já o governador José Maria Ferraz dos Santos, disse que o Planalto de Camabatela sempre foi um grande  potencial pecuário, concluindo que a inauguração do matadouro constitui um enorme passo para o renascimento e a rentabilização das potencialidades da região.

Garantiu todo o apoio do governo do Cuanza Norte aos pecuaristas, sublinhando que o compromisso do governo da província é continuar a trabalhar de mãos dadas com a classe, criando  condições técnicas e materiais para que se produzam animais saudáveis e se assegure, em pouco tempo, o repovoamento integral do planalto.

Construído numa área de 16,69 hectares, sob gestão inicial do Ministério da Agricultura, com parceria tecnológica do Grupo Valagro, o empreendimento resulta de um financiamento dooverno Espanhol, avaliado em 13 milhões e 44 mil dólares, possuido uma capacidade diária de abate de 200 bovinos e 300 caprinos.

Com uma superfície de um milhão 410 hectares, o Planalto de Camabatela abarca os municípios de Ambaca e Samba Cajú, no Kuanza Norte, Cacuso e Kalandula, em Malanje, assim como Puri, Bungo, Alto Kwale, Cangola e Damba, no Uíge, totalizando cerca de 200 fazendas registadas.

O município da Camabatela dista a 180 quilómetros a nordeste de Ndalatando, capital da província do Cuanza Norte.



Angop